28/01/2014

Viabilidade do Uso de Células de Sangue de Cordão Umbilical autólogo em crianças com Encefalopatia Hipóxico-Isquêmica

Feasibility of Autologous Cord Blood Cells for Infants with Hypoxic-Ischemic Encephalopathy – C. Michael Cotton, Amy P. Murtha, Ronald N. Goldberg, Chad A. Grotegut, P. Brian Smith, Ricki F. Goldstein, Kimberley A. Fisher, Kathryn E. Gustafson, Barbara Waters-Pick, BS, Geeta K. Swamy, Benjamin Rattray, Siddhartha Tan, and Joanne Kurtzberg. J Pediatr 2014

Pesquisadores e médicos dos Departamentos de Pediatria, Obstetrícia e Ginecologia e do Laboratório de Células tronco do Hospital Universitário da Universidade de Duke na Carolina do Norte – USA publicaram, neste mês, o resultado de 4 anos de estudo da infusão de células nucleadas de sangue de cordão umbilical autólogo em crianças que tenham sofrido eventos de encefalopatia hipóxico-isquêmica ao nascimento.

O estudo tinha como objetivo padronizar a coordenação das várias disciplinas necessárias para a coleta, processamento e infusão das células nucleadas do sangue de cordão umbilical nos primeiros dias após o nascimento; controlar a qualidade das coletas do SCU e da infusão destas células em crianças de alto risco, e verificar a resposta das crianças à infusão e seus resultados clínicos no momento da alta hospitalar e após um ano de idade.

O estudo, iniciado em janeiro de 2009 selecionou crianças nascidas com 35 semanas de gestação, as quais tinham sofrido encefalopatia hipóxico-isquêmica ao nascimento e que preenchiam os critérios de inclusão de protocolos de hipotermia. As crianças que preenchiam estes critérios eram avaliadas em 6 domínios : nível de consciência, nível de atividade espontânea, tonus, postura, reflexos primitivos e funções autonômicas. A criança era incluída no estudo quando: pelo menos, 3 dos 6 domínios estudados fossem anormais, se a criança apresentasse convulsão e, obrigatoriamente, tivesse o sangue de cordão umbilical coletado ao nascer.

Os resultados obtidos neste estudo mostraram que a coleta, procesamento e infusão das células nucleadas de sangue de cordão umbilical autólogo no período de alguns dias após o nascimento é viável e segura. O estudo conclui ainda que é necessária uma colaboração multidisciplinar bem orquestrada para que o procedimento possa surtir efeitos benéficos neste tipo de tratamento.

Os autores já iniciaram um estudo clínico de Fase II para comprovar a eficácia em um número maior de crianças.