14/04/2016

Vacinação: como não criar traumas?

Dicas de como preparar a criança para a “picadinha”

Como preparar a criança para a hora da vacina?

Vacinar é preciso. Mas a hora da “picadinha” pode ser um momento de frustração as crianças, e para os pais, se elas não estiverem preparadas para encarar esse momento sem traumas. Veja abaixo as dicas da psicoterapeuta familiar Quézia Bombonatto de como conversar e ajudar emocionalmente seu filho (a) para a vacina:

– No dia da vacinação, fale para a criança que você vai levá-la tomar uma picadinha ou uma gotinha (dependendo do caso), e explique que a vacina ajuda a evitar que ela fique doente. Os pais devem ser firmes nessa conversa, mas carinhosos. Assim, seu filho (a) vai se sentir protegido;

Se pequenos virem outras crianças chorando no local de vacinação, explique com tranquilidade que os pais delas talvez não tenham contato que esse é um processo rápido;

– Não minta que não vai doer, mas diga que é só um pouquinho. Explique para a criança ela que talvez ela vá chorar, mas que você estará lá, ao lado dela, segurando seu braço, e que a vacina é algo muito importante para ela;

– Em casos de birras, demonstre carinho e mantenha pulso firme. Nunca ameace a criança. Com muita calma, explique o que vai acontecer;

– Não sofra pelo filho (a). Estar tranquilo passa tranquilidade, e a criança não vai fazer ‘show’;

– Não adianta falar depois da vacina que ‘não doeu nada’, porque seu filho (a) sentiu a picadinha, sentiu dor, sim. Reforce que doeu um pouco, mas que já passou, pois, como você disse, seria rápido;

– Dar recompensa depois depende dos pais e da filosofia da família. Mas fazer promessas não é necessário. Dar um abraço e um beijo após a vacina é o melhor agrado que tem.

Fonte: Revista Pais e Filhos online