11/11/2014

Tratamento com células do sangue de cordão ajuda na regressão da paralisia cerebral

Médicos da Clínica Universitária Ruhr, na Alemanha, realizaram tratamento para paralisia cerebral com sangue do cordão umbilical da própria criança.

A chance de sobrevivência depois de um dano cerebral grave, com mais de 25 minutos de duração antes da reanimação, é de apenas seis por cento. Meses após o dano cerebral grave, as crianças que sobrevivem, normalmente só apresentam sinais mínimos de consciência. Até o momento, não há no arsenal médico nenhum tratamento efetivo conhecido para a paralisia cerebral.

A criança de 2,5 anos de idade com graves danos cerebrais, em consequência de uma parada cardíaca, encontrava-se com sequelas motoras e cognitivas que colocavam sua vida em risco.

Em 27 de janeiro de 2009, nove semanas após a ocorrência do dano cerebral, os médicos administraram o sangue do cordão umbilical da criança, por via intravenosa.

Em dois meses, a rigidez muscular diminuiu significativamente. Ela retomou a capacidade de ver, sentar, sorrir e falar palavras simples. Após os quarenta meses de tratamento, a criança comia de forma independente, andava com ajuda e formava frases de quatro palavras.

O potencial terapêutico do sangue do cordão umbilical para a paralisia cerebral vem sendo pesquisado por diversos grupos há algum tempo.

Em março de 2013, o grupo do Dr. Min Young Kim (CHA Hospital – Coréia) publicou um estudo com uma centena de crianças, no qual foi usado, pela primeira vez, sangue do cordão umbilical de doadores aparentados, no tratamento da paralisia cerebral. O estudo concluiu que, além de seguro, o tratamento melhorou a disfunção motora e cognitiva nestas crianças, sendo acompanhado por mudanças estruturais e metabólicas no cérebro.

Mais de uma dezena de trabalhos semelhantes, utilizando sangue de cordão umbilical do próprio paciente, estão sendo conduzidos por diferentes instituições e registrados no site do Ministério da Saúde dos Estados Unidos**.

As células do sangue de cordão umbilical representam uma grande esperança, nesta e em outras doenças neurodegenerativas.

*Créditos: A. Jensen, E. Hamelmann. First Autologous Cell Therapy of Cerebral Palsy Caused by Hypoxic-Ischemic Brain Damange in a /child after Cardiac /arrest – Individual Treatment with Cord Blood. Case Reports in Trnasplantation, 2013; 2013: 1DOI: 10.1155/2013/951827