03/09/2015

Projetos da Axis Biotec são destaque em matéria da revista Economia Rio

P_Biorio

A edição de junho da Revista Economia Rio apresentou uma reportagem com diversas iniciativas em andamento para o desenvolvimento da biotecnologia no estado do Rio de Janeiro. A crise do petróleo abre uma janela de oportunidade para outros segmentos no Rio de Janeiro e, dentre eles, destaca-se o setor de Saúde, que está entre os mais promissores. Segundo o Índice Dow Jones, em 2014, o mercado de Óleo e Gás recuou 9% enquanto o de Saúde cresceu 34% na bolsa americana. Neste cenário, o Estado do Rio de Janeiro, percebendo o potencial do setor, investe para se tornar o principal polo de biotecnologia do País.

Com investimento de R$ 3 bilhões, está sendo construído, no Distrito Industrial de Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, o Complexo Industrial de Biotecnologia em Saúde (CIBS) de Bio-Manguinhos que multiplicará por seis a capacidade de produção de vacinas, reagentes e outros produtos biotecnológicos da instituição. Acredita-se que este projeto funcionará como uma espécie de âncora, oferecendo sustentação para novos empreendimentos desta rede em formação, e possibilitará que o Rio de Janeiro assuma uma posição de liderança na indústria biotecnológica brasileira.

No mesmo sentido, a Fundação Bio-Rio, localizada dentro do campus da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foi criada em 1988 e hoje atua como uma espécie de hub, auxiliando pesquisadores a desenvolverem seus negócios. Atualmente, a Fundação abriga 42 empresas, sendo 20 já instaladas e 22 na incubadora, além de 23 empresas associadas, totalizando 65 empresas ligadas ao polo. Dentre estas, estão as empresas do grupo Axis Biotec que possuem um histórico de sucesso na tradução de pesquisa em produtos e serviços inovadores na área da saúde e vem ganhando visibilidade por uma série de iniciativas na área da biotecnologia. Recentemente, em abril de 2015, a Cryopraxis, empresa do grupo Axis Biotec, inaugurou a expansão das suas instalações se consolidando como o maior centro de armazenamento criogênico de células-tronco do sangue de cordão umbilical  da América Latina. No mês seguinte, outra empresa do grupo, a Pharmapraxis, em parceria com a empresa canadense PlantForm, por meio de uma joint venture, iniciou um novo projeto que consiste na produção de anticorpos monoclonais e outros biofármacos a partir de folhas de tabaco para o tratamento de alguns tipos de câncer. Parte deste projeto será subvencionado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), empresa federal voltada para o apoio à pesquisa e inovação.

“A Cryopraxis orgulha-se de fazer parte de uma holding que apoia iniciativas como estas  e continuará investindo e buscando a excelência na prestação de seus serviços.”

Faça o download da Revista Economia Rio na íntegra AQUI e leia matéria completa.