03/08/2017

LEITE MATERNO É INJEÇÃO DE IMUNIDADE PARA A VIDA TODA

Desde o primeiro choro, a vida que começa aqui fora é mesmo uma aventura intensa e cheia de desafios. A partir deste momento, a saúde do bebê vai depender das gotas poder

O caminho da saúde pode estar ao nosso alcance desde o primeiro instante.

Desde o primeiro choro, a vida que começa aqui fora é mesmo uma aventura intensa e cheia de desafios. A partir deste momento, a saúde do bebê vai depender das gotas poderosas do leite da mãe, capaz de protegê-lo dos vírus e das doenças por toda vida.

“Nasceu, o primeiro e decisivo passo é a amamentação. Ela é fundamental”, afirma o pesquisador João Aprígio, do Instituto Fernandes Figueira/Fiocruz. É tão fundamental que o especialista chama o leite materno de “sangue branco”.

“Ele ainda é imunologicamente dependente da mãe não pelo sangue vermelho, mas pelo sangue branco”, diz.
Microbiota é o nome usado para definir o conjunto de vírus, fungos e, principalmente, bactérias com os quais a espécie humana convive e que aumentam a defesa do nosso organismo contra as doenças.
“Esta microbiota é implantada, principalmente, no momento do parto, e depois o aleitamento materno continua contribuindo”, diz o pediatra.

E como contribui. As gotas do “sangue branco” nunca serão demais.

“Amamentar é preparar para vida. É o início da construção de um sujeito e vai determinar como vai ser a sua saúde até a terceira idade”, ressalta o pesquisador João Aprígio.

É mesmo uma surpresa: o leite materno nos protege mesmo em idade avançada.

Dois meses de aleitamento – menos alergias na vida adulta
“O fato de alimentar uma criança exclusivamente com leite materno por pelo menos dois meses reduz em seis vezes o risco da ocorrência de alergia na vida adulta”, explica.

Seis meses ou mais de aleitamento – risco de linfoma diminui 33%

“Se você alimenta uma criança durante seis meses exclusivamente no seio materno – não quero dizer só por seis meses – e depois desse período continua o aleitamento de forma complementar, você pode reduzir em 33% o risco da ocorrência de um linfoma na vida adulta”, afirma João Aprígio.
A criança que só mama no peito fica livre das ameaças do nosso dia a dia.
“A criança não vai desenvolver dengue porque o leite humano tem o fator específico antidengue”, explica o pesquisador.

Fonte: Globo Repórter