30/05/2017

Inovação e educação: tem gente pensando fora da caixa

Jornalista e diretora de arte, Silvana Gontijo sempre foi desafiada a escolher entre as duas profissões quando descobriu que podia dar uma importante contribuição...

Jornalista e diretora de arte, Silvana Gontijo sempre foi desafiada a escolher entre as duas profissões quando descobriu que podia dar uma importante contribuição à sociedade ao   enveredar por um caminho do meio. Com carreira em diversas redações de jornais e revistas, cobriu as áreas de Educação e Cultura como repórter do Jornal do Brasil, chefiou o departamento educacional do próprio periódico e, ao interessar-se pelo impacto das mídias na vida das crianças, foi para a França estudar o que conglomerados de comunicação estavam fazendo na educação. “Era uma época (década de 80) em que isso não era discutido no Brasil. Por aqui me olhavam torto!”, conta. De volta ao Brasil, criou um grupo para discutir Mídia e Educação.

A partir do conhecimento adquirido na França, e das conversas geradas nesse grupo, Silvana plantou a semente que deu origem à Planeta.com, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) reconhecida, hoje, como uma das que mais perseguem inovação em educação no país. “O mais legal de juntar toda essa gente e a minha experiência em jornalismo em torno de um tema tão importante foi perceber que era possível mudar paradigmas na educação. E, mais do que isso, como determinadas metodologias podem favorecer e facilitar a captura do interesse das crianças pelo aprendizado”, diz.

Na entrevista a seguir, Silvana conta como vale a pena o esforço de reunir pessoas em torno de temas educacionais tão importantes. E é com ferramentas inovadoras para isso, como a Turma do Planeta, criada por ela, que as crianças se sentem estimuladas a aprender. Perto do Dia do Meio Ambiente, ela cita, por exemplo, a importância do contato dos pequenos com o ambiente natural.

Fale um pouquinho sobre os projetos da Planeta.com.

O mundo de hoje exige das famílias, das escolas e das empresas um esforço permanente em formação continuada, como forma de preparar as pessoas para as mudanças tecnológicas que estão alterando de forma radical a vida em sociedade. Se, no passado, os ambientes educacionais – família, escolas, aprendizado profissional – eram entendidos como compartimentos estanques, hoje, essa percepção mudou. São sistemas vivos, em mutação e, principalmente, interdependentes. O que fazemos é criar ambientes colaborativos, produtivos e harmoniosos, respeitando as características individuais e explorando as aptidões, vocações e talentos. Essas articulações, entendendo o que jovens e crianças pensam, são fundamentais na busca por uma educação de qualidade. Nos últimos anos, passamos a atuar em várias frentes da educação. Criamos desde um curso online para professores, o Por Dentro dos Meios, até o curso Narrativa Digitais Interativas, em 2008, que nasceu de uma parceria com o Oi Futuro, para estudantes exercitarem a produção de conteúdo nos meios digitais. São muitos projetos. Já estamos em 17 estados!

Estamos na semana do Dia Mundial do Meio Ambiente e um dos seus projetos na área de educação é a Turma do Planeta. Como é o projeto?

Estamos vivendo um problema sério no mundo que se chama “déficit de natureza”. Isso está gerando uma série de desdobramentos no comportamento e no emocional das crianças. Por isso tivemos a ideia de usar recursos lúdicos para ajudar pais, cuidadores, escolas e empresas a aproximarem a criança da natureza através de personagens infantis. A turma é um grupo de crianças e animais que está disposto a salvar o mundo. O projeto reúne um livro e quatro revistas da Turma do Planeta. Cada tarefa que essa turma se dispõe a cumprir é uma aventura. A primeira delas é salvar o rio do bairro onde moram. Esta é a história do livro “Fala, Bia”. Já as revistas trazem outras peripécias do grupo e passatempos. Os personagens também estão presentes em games e aplicativos que misturam muita diversão a conteúdos escolares, de meio ambiente e de educação para valores.

Aproveitando a temática, como você acha que pais e cuidadores podem incentivar o contato dos filhos com a natureza?

Acho que a natureza promove a oportunidade de integrar todas as partes: o corpo, a emoção, a razão analítica e a relação com o outro. Então minha sugestão é mais brincadeira no quintal e menos dentro dos apartamentos. Mais em praças e parques, e menos dentro dos prédios. Mais jogos na rua, e menos videogames. Atitudes simples, como plantar alguma coisa dentro de casa junto com a criança, já faz diferença. Hoje, muitas vezes, o fato de uma criança ser picada por um mosquito já é motivo de pânico para os pais. Precisamos mudar esse olhar e cuidar desse contato.