17/04/2013

Cryopraxis participa do maior evento mundial de Biotecnologia

O Grupo Axis Biotec Brasil, que reúne as empresas Cryopraxis, CellPraxis, Silvestre Labs e Pharmapraxis participa entre os dias 22 e 24 de abril da Bio Convention 2013, uma das maiores feiras mundiais de Biotecnologia, nos EUA. O objetivo é fechar acordos com empresas ligadas a pesquisa e desenvolvimento de terapias celulares e produtos biológicos. Atualmente, as empresas do grupo estão fortemente envolvida com projetos de P&D no Brasil e no exterior, junto a universidades e empresas privadas.

A Cryopraxis é o maior banco privado de armazenamento de células-tronco de cordão umbilical do Brasil, com mais de 30 mil unidades, e investe este ano R$ 2,5 milhões na ampliação do banco e em novos tanques. A empresa possui certificação internacional da Associação Americana de Bancos de Sangue (AABB) desde 2009, o que possibilita que suas amostras sejam disponibilizadas para qualquer lugar do mundo. O aval da AABB é dado a empresas que adotam altos padrões de qualidade e segurança em seus processos.

Segundo o presidente, Eduardo Cruz, na mesma semana, a CellPraxis, empresa subsidiária da Cryopraxis, estará prospectando na empresa Biocard um novo cateter que será usado para estudos clínicos que envolvem o uso de células-tronco para tratamento da angina refratária. Este procedimento é conhecido como  ReACT (Terapia Celular para Angina Refratária), e tem se mostrado seguro e eficaz para tratar a doença. Na feira de 2012, a CellPraxis/Cryopraxis apresentou este projeto no evento, que foi desenvolvido em parceria com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a Universidade do Sul da Flórida (EUA).

Ainda durante a ida aos EUA, os profissionais da Axis Biotec visitarão uma fazenda de Boston que produz animais transgênicos. O interesse da empresa brasileira é a produção de medicamentos a partir do leite da cabra transgênica. Entre eles estão os anticorpos monoclonais, que pertencem a uma classe terapêutica relativamente nova e o seu desenvolvimento constitui um dos maiores avanços da última década no tratamento do linfoma não-Hodgkin.