fbpx

Cryopraxis investe em pesquisa para uso de células-tronco de cordão em Alzheimer

Por PRNewswire
20 set 2019, 12h01

 

RIO DE JANEIRO, 20 de setembro de 2019 /PRNewswire/ — Em uma pesquisa na Biblioteca do Instituto de Saúde dos Estados Unidos (US National Library of Medicine, NIH) é possível perceber o grande volume de trabalhos e mais de 31.000 citações sobre Alzheimer e Sangue de Cordão.

Alzheimer é, como se percebe, sem dúvida uma preocupação mundial. E assim se tornam mais e mais relevantes esses estudos, pois o envelhecimento populacional é uma realidade e as patologias neurodegenerativas são prevalentes no idoso.

Mais de 30 milhões de pessoas, sobretudo entre 60 e 90 anos de idade, sofrem de Alzheimer. Os pacientes diagnosticados com essa doença apresentam uma combinação de sintomas que vai desde a perda de memória e a confusão com o tempo ou lugar, até alterações de humor e de personalidade. A progressão dessas manifestações leva a complicações e comprometimento de diversas funções corporais, gerando incapacidade de execução de tarefas cotidianas de forma independente e segura.

Alzheimer é patologia degenerativa com forte componente inflamatório. E as células tronco são reconhecidamente úteis em quadros de caos imune-inflamatório. Há quase duas décadas, artigo da New Jersey Medical School demonstrou resultados promissores em ensaios pré-clínicos de Alzheimer com uso de células obtidas do sangue de cordão. Em 2013, pesquisadores da Universidade do Sul da Flórida mostraram que a infusão desse tipo de material provocava uma melhoria cognitiva e motora e ainda reduzia significativamente os depósitos de Aβ também em ensaios pré-clínicos. E mais recentemente ensaios em humanos estão em curso.

Atualmente, a Cryopraxis tem projetos em patologias neurodegenerativas e aguarda a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberar a regulamentação da classe de Produtos de Terapia Avançada, prevista para ocorrer até dezembro de 2019. O Food and Druf Administration (FDA), órgão regulatório dos Estados Unidos, já tem regulamentação para esses produtos desde 1998, o que justifica o maior número de investimentos nesse setor naquele país. A boa notícia é que o Brasil deverá avançar exponencialmente nesse segmento nos próximos anos e tais produtos estarão disponíveis no arsenal médico tão logo sejam regulamentados e registrados pela Anvisa.

A Cryopraxis é o primeiro e maior banco de células-tronco do cordão umbilical do Brasil, sendo responsável pelo processamento e armazenamento de células-tronco de mais de 40 mil clientes. Além disso, possui uma trajetória de quase duas décadas no setor com uma constante política de investimento e incentivo à inovação.

CONTATO: Cryopraxis, www.cryopraxis.com.br, (21) 2141-7777