03/08/2016

Células-tronco são nova esperança contra esclerose múltipla

Um estudo canadense é o primeiro a trazer esperança de cura para portadores de esclerose múltipla grave, que não respondem aos tratamentos disponíveis atualmente.

Um estudo canadense é o primeiro a trazer esperança de cura para portadores de esclerose múltipla grave, que não respondem aos tratamentos disponíveis atualmente, e é o primeiro que conseguiu parar e reverter a doença em longo prazo sem a necessidade de outros medicamentos.

Todos os pacientes do estudo, publicado recentemente no periódico científico The Lancet , tinham esclerose agressiva, recidiva e foram acompanhados por até 13 anos após o tratamento. Vinte e três pacientes voltaram a andar, trabalhar e até mesmo esquiar após serem submetidos ao tratamento. De acordo com o jornal britânico The Telegraph, seus resultados foram considerados ’emocionantes’ e ‘sem precedentes’ por especialistas.

A pesquisa é a primeira a mostrar a supressão completa, em longo prazo de toda a atividade inflamatória em pessoas com esclerose múltipla. Uma variação deste procedimento tem sido utilizada para tratar a leucemia há décadas, mas a sua utilização para doenças autoimunes é relativamente nova. No entanto, o especialista Harold Atkins, professor na Universidade de Ottawa, no Canadá e um dos autores da pesquisa, alerta que esta terapia pode ter riscos e efeitos colaterais graves e só seria apropriada para uma pequena porção de pessoas que têm esclerose múltipla severa.

Fonte: http://veja.abril.com.br/saude/celulas-tronco-sao-nova-esperanca-contra-esclerose-multipla/