13/08/2017

Células-tronco no tratamento de Epilepsia

A pesquisa com o uso de células-tronco em doenças neurológicas aumentou recentemente, com inúmeros trabalhos publicados tanto por grupos internacionais...

A pesquisa com o uso de células-tronco em doenças neurológicas aumentou recentemente, com inúmeros trabalhos publicados tanto por grupos internacionais como nacionais. Entre esses, se destaca o grupo do Dr. Jaderson Costa da Costa do Instituto do Cérebro do Rio Grande do Sul. Seu trabalho é o primeiro que testa o transplante de células-tronco da medula óssea em humanos com epilepsia.

Após o transplante de células-tronco, os pacientes apresentaram uma diminuição na atividade eletroencefalográfica. Além disso, após seis meses de tratamento, 40% dos pacientes não tiveram mais crises convulsivas, 25% tiveram redução entre 70 e 99% no número de crises, 15% tiveram redução entre 50 e 69% no número de crises, e 20% apresentaram redução no número de crises menor que 50%, além de um aumento significativo no desempenho de memória. Estudos anteriores, alguns desenvolvidos pelo nosso grupo, em parceria com a UNIFESP, demonstraram que o transplante autólogo de células mononucleares da medula óssea (BMMC) foi efetivo na regeneração e revascularização do músculo cardíaco humano.

Por outro lado, a infusão de células mononucleares autólogas, provenientes da medula óssea ou do sangue do cordão umbilical, em pacientes com paralisia cerebral, mostrou que a injeção dessas células é segura e parecem exercer um efeito parácrino que induz uma resposta compensatória às mudanças no ambiente extracelular e uma possível modulação da resposta inflamatória.

Dra. Ana Paula de Menêses Costa

Médica Hematologista

Responsável Técnica da Cryopraxis

Confira a matéria na íntegra:

InsCer – Instituto do Cérebro